26 de mar de 2009

Finalmente, RADIOHEAD! (Parte II)

Demorei para a segunda postagem, eu sei! Mas é que o show me deixou em um estado inexplicável; um lance meio hipnótico, uma sensação de incredulidade, sei lá... Só sei que assim eu permaneci por todos estes dias. Postar sobre o show dos Los Hermanos e do Kraftwerk foi fácil; eu estava lá vendo a apresentação e ouvindo cada música, mas com o RADIOHEAD foi diferente... demorou para "cair minha ficha" de que realmente tinha acontecido e eu estava lá! Foi ontem, ou anteontem, qd comecei a descarregar as fotos e os videos do show no meu micro que comecei a me dar conta de tudo o que tinha acontecido; então "flashes" do show começaram a passar em minha cabeça e a cada foto, me lembrava daquele exato momento e do que acontecia naquela hora.
"--Pultaqueopariu, que foda!" - pensei.
Desde 1999 esperando por isso e, qd finalmente acontece, eu assisto a tudo como alguém que acabara de sofrer uma lobotomia. No show, tinha gente chorando; tinha gente berrando; tinha gente cantando todas as músicas do começo ao fim e teve gente que passou o show inteiro xingando a banda, mas não por não estarem gostando da apresentação e sim, pela banda ser tão foda... E tinha a galera da lobotomia(grupo do qual eu fazia parte!), que não conseguia gritar, não chorava, não xingava, simplesmente NÃO ACREDITAVA. Às vezes, o povo da lobotomia conseguia sair do transe hipnótico e cantava uma faixa inteira; quando isso acontecia, seguiam-se ataques histéricos, movimentos espasmódicos involuntários, grunhidos incompreensíveis, assobios e palmas freneticamente desordenadas.
Quando o camundongo epilético mais foda do mundo, o Dr. House, o multi-instrumentista esquisito daltônico, o Ringo Starr do baixo e o careca que parece um assassino profissional subiram no palco e começaram a tocar 15 Step, eu simplesmente me desliguei da realidade. Tudo bem que um tremendo inconveniente estava ocorrendo ali onde eu estava... esse inconveniente durou até "The Gloaming", quando a situação(que agora não vem ao caso) se tornou insustentável e eu preferi trocar de lugar, indo um pouco mais para trás para não estragar o show. Essa troca não prejudicou em nada a visão do palco e, a partir de então, pude curtir muito melhor meu estado hipnótico ante a apresentação memorável, a puta presença de palco de todos integrantes, a iluminação surreal e o som impecável! Saí por alguns instantes do transe e consegui filmar um trechinho de Faust Harp... depois voltei, e depois saí de novo; para quase morrer em: "Exit music(for a film)", que, para mim, foi o melhor e mais emocionante momento do show... as palmas desconjuntadas da galera tentando acompanhar a música, quase puseram tudo a perder, mas os panacas se tocaram logo e pararam com aquilo.
O show também teve momentos inusitados: O Thom riu; o Jonny falou; e o Ed mandou um "--Bom pra caralho!", enquanto Thom cantava "You and whose army"(com a microcâmera instalada no piano dando um close no rosto dele)... Teve também o momento "Paranoid Android", que só quem estava lá vai entender o que eu estou falando; porque posso descrever aqui esse momento em palavras(com já vi em tantos outros blogs), mas a sensação proporcionada por aquele momento, é indescritível!!!

No final do show, Thom se ajoelhou e agradeceu a galera... Seria justo eu passar o resto dos meus dias de joelhos, em agradecimento à banda por um dos melhores momentos da minha vida!

video

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial